• Home
  • Posts RSS
  • Comments RSS
  • Edit
  • ﻼIgreja Futebol Clube 3ﻼ

    terça-feira, 25 de setembro de 2012
    De acordo com a ordem estabelecida, trago mais dois aspectos comuns ao futebol e à religião para analisarmos.  Confesso para vocês que tem sido cada vez mais difícil escolher as três fotos que fazem parte de cada post da série, pois acho cada uma mais inspiradora que a outra! Como admirador da arte de fotografar, pouco importa o que seja registrado, o que vale é a arte, não? Sem mais delongas, vamos direto ao ponto:


    1. Referência: "Quem não sonhou em ser um jogador de futebol?" já diz a velha canção. O fato é que, quando se fala sobre jogadores de futebol, a lista que passa em nossas cabeças é imensa, mesmo não gostando do esporte, já que, morando em um país como o Brasil, é impossível não ser contaminado por informações como essas. Muitos jogadores são vistos como verdadeiros super-heróis por adultos e crianças. Quem já não viu um garoto sonhador dizendo que, quando crescer, quer ser um jogador tão bom quanto Cristiano Ronaldo? O mesmo acontece no meio religioso, o que se torna - não que no futebol não possa ser - extremamente perigoso. Sendo representantes de crenças espirituais, muitos líderes são, ingenuamente, vistos como heróis em meio ao desespero de pessoas necessitadas. Já houve tempos em que questionar suas palavras ou atitudes era algo totalmente desrespeitoso. Hoje, porém, isso é comum e até motivador - parece até moda falar mal de pessoas como Edir Macedo ou Valdemiro Santiago. Nomes de jogadores e líderes religiosos - principalmente os que estão em evidência - estão corriqueiramente metidos em escândalos, o que nos leva a concluir que eles são tão humanos quanto nós. Óbvio? Para muita gente não é. Não é conveniente nem que baixemos a cabeça para tudo o que eles fazem nem que estejamos a postos para atirar pedras quando virmos um erro, afinal, qual de nós não erra? A diferença é que não temos milhares de olhares em expectativa nem emissoras prontas a conseguir matérias líderes de audiência sobre nós.

    E, como insistissem, perguntando-lhe, endireitou-se, e disse-lhes: Aquele que de entre vós está sem pecado seja o primeiro que atire pedra contra ela.
    João 8:7

    2. Multidão: Jogos, cultos e shows de música cristã são sempre motivo de lotação dentro dos estádios. Dos maiores aos menores nomes dentro de cada segmento, podemos ter certeza de uma coisa: onde quer que eles estejam, haverá muita gente e muitos flashes atrás deles. O que há de errado nisso? Até aí nada, o problema vem depois. O que difere cada um dentro dessa multidão é a razão que os faz estar ali. Sempre vejo repórteres que cobrem matérias a respeito de brigas dentro e fora dos estádios dizerem que, quem pratica tais atos exageradamente violentos usando seu time como desculpa, não é torcedor de verdade, mas um vândalo disfarçado. Chegar a quebrar cadeiras dentro dos estádios, arrancar grades, machucar e até matar outras pessoas que, às vezes, não tem nada a ver com a situação são sempre notícia. O desequilíbrio, porém, não se restringe ao futebol. Ele também extrapola, muito embora seja de forma totalmente diferente, dentro da religião. Carências dos mais variados tipos são manifestadas através do fanatismo, da intolerância, da dependência de rituais, enfim, da falta de respeito que origina tantos problemas dentro de onde deveria ser um lugar de acolhimento e compreensão. Mais deprimente ainda é quando líderes sem compaixão se utilizam dessas carências para obter vantagem das mais variadas naturezas. Em meio à multidão encontramos muitas vidas, muitas histórias, muita fé. Resta saber onde cada um de nós está, se simplesmente dentro de uma igreja ou se a igreja está, como Jesus disse que deveria ser, dentro de nós.

    E foi com ele, e seguia-o uma grande multidão, que o apertava.
    Marcos 5:24

    ﻼAtualizaçãoﻼ

    terça-feira, 11 de setembro de 2012
    Posso atualizar a vocês da minha vida? É sempre bom saber um pouco sobre a pessoa da qual você lê textos frequentemente, né? Sempre digo nesses momentos que não sou muito fã de falar sobre a minha vida aqui, mas é bom para estabelecermos uma certa proximidade. Bem, vamos ao que interessa.
    A greve da Universidade Federal do Ceará finalmente terminou. Hoje, terça-feira, dei a viagem perdida - é isso mesmo, não teve aula - depois de ter deixado de ir na segunda-feira temendo que ocorresse a mesma coisa. Não me precavi o bastante. Fico sem reação diante da postura de professores que querem passar uma imagem tão séria e intelectual e tomam atitudes tão... pequenas. E não é somente sobre essas faltas pós fim de greve que estou falando. Mas falar sobre universidades ou greve não é meu objetivo.
    Durante esse período de férias/greve eu postei uma vez por semana. Agora, provavelmente, passarei a postar uma vez a cada duas semanas como fazia antes - é, duas postagens por mês. Eu sei que é pouquíssimo, mas eu gosto de fazer as coisas da melhor forma possível. Gosto de preparar os posts com cuidado e antecedência, responder comentário por comentário, visitar blogs novos e tudo isso leva tempo. Eu não consigo conciliar estudo com vida intensa de blogueiro. Para fazer as duas coisas bem-feitas, só consigo assim.
    Estou dizendo isso tudo para que aqueles que realmente sentem minha falta por aqui saibam que não sumirei nem abandonarei o blog. Só não serei tão presente quanto antes, até porque, por mais que eu o ame, eu fico meio cansado de cuidar do blog as vezes.
    Um fator agravante é meu trabalho na igreja. Como líder do ministério de teatro, tenho muito trabalho a fazer - roteirizar, dirigir, produzir... - e nesse segundo semestre estamos com três peças encomendadas. Desejo falar mais sobre esse meu lado cênico em algum post, mas tenho que parar por aqui antes que a empolgação tome conta dos meus dedos.
    Meu outro objetivo com esse post é me deixar mais confortável e com a mente mais fresca para pensar nas próximas atualizações. Preciso terminar a série Igreja Futebol Clube - faltam dois posts - e preparar mais algumas indicações de filmes - fiquei impressionadíssimo com a repercussão da primeira indicação. Um Encontro Com Seu Ídolo já é o post mais lido do blog!
    Agora vou deixar vocês com o trailer do novo projeto do Ministério de Louvor Diante do Trono - o 15º CD e DVD da série gravado em Manaus - que se chama Creio. Como segundo maior ministério de louvor do mundo, o Diante do Trono tem feito projetos com excelência e unção. Esse vídeo extremamente empolgante mostra um pouco do que chegará às lojas nos próximos meses. Confiram:



    Ele disse: Creio, Senhor. E o adorou.
    João 9:38

    ﻼIgreja Futebol Clube 2ﻼ

    domingo, 2 de setembro de 2012
    Como prometido, vou continuar com a analogia sobre como futebol e religião se parecem. Fiquei muito surpreso com a repercussão da primeira parte dessa série pois, além de ter ficado como post mais lido do blog em apenas duas semanas, muitas pessoas concordaram comigo - claro que houve discordâncias, mas fiquei feliz com o compartilhamento de opiniões e tudo o que vocês tiveram para acrescentar. Continuarei desenvolvendo mais dois tópicos dessa semelhança sutil - ou não - que nos dá oportunidade de rever nossos conceitos.


    1. Herança - É isso mesmo, herança. Quantos de nós não sabemos - ou mesmo vivemos - tantas histórias de como os pais levam seus filhos para o estádio. Histórias sobre como o primeiro jogo assistido de perto foi emocionante e intenso. Relatos sobre a primeira camiseta do time comprada numa data simbólica e tradições familiares relacionadas a determinado time como temas de aniversário. Até mesmo a contaminação das cores e da bandeira do time estampadas nas toalhas, lençóis, colchas de cama, tapetes, canecas, molduras e por aí vai... Agora podemos pensar quantas vezes também ouvimos relatos de filhos que, desde muito pequenos, eram levados à igreja pelos pais. Relatos de apego à EBD - Escola Bíblia Dominical - por proporcionar crescimento espiritual e laços mais próximos com os colegas de culto. Testemunhos sobre crianças que descobriram seus ministérios - música, teatro ou dança - desde muito cedo, quando eram incentivadas pelos pais e por seus líderes espirituais ao serviço na casa de Deus. Ou seja: famílias reunidas em prol de investimentos que acreditam ser importantes, o que acaba passando de pai para filho, tornando-se um ciclo firmemente enraizado na cultura de várias gerações. Uma herança que é oficializada pela emoção, costume, espiritualidade, identificação. Percebeu como são semelhantes? Não há porque não olhar para as duas práticas com naturalidade. Só apoio a continuidade da existência do livre arbítrio. É bonito falar sobre esse tipo de herança quando se faz bem à criança, agora forçá-la a torcer para determinado time ou fazer parte de uma religião em que ela não se encontra é opressor. A Palavra diz para que os pais ensinem os filhos no caminho, para que quando estiverem maiores, não se desviem dele. Ensinar o caminho de Deus é diferente de obrigar alguém a fazer parte de uma religião. O caminho do Senhor está acima de qualquer doutrina ou ritual, assim como torcer para determinado time por obrigação tira todo o brilho da paixão pelo esporte.

    Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele. Provérbios 22:6

    2. Partido - É uma verdadeira chapa política o que algumas pessoas fazem para defender seu time ou religião. Chingar o time do outro, seus jogadores e treinadores e contar vantagem em cima de vitórias estrategicamente selecionadas é comum entre torcedores. Dizer que determinado time é maior que outro porque tem mais torcedores, porque tem os maiores jogadores do Brasil ou porque está indo bem em todos os jogos da temporada acontece corriqueiramente entre aqueles que precisam se sentir ao lado dos maiores. A questão é: precisa disso? Eu sou evangélico, mas posso garantir para você que não coloco um dedo sequer no fogo pela minha religião, muito menos pela denominação da congregação da qual faço parte. Jesus foi bem claro ao dizer que Ele é o caminho, a verdade e a vida e que ninguém vai ao Pai senão através Dele. Através Dele somente! Jesus não disse em momento algum enquanto esteve nesse mundo como homem que religião A ou B são as certas e D e E são as erradas. Religião foi algo criado pelo homem para facilitar o relacionamento com Deus, mas o tiro acabou saindo pela culatra porque é uma das coisas que mais divide as pessoas. Assim como times de futebol! Quantas amizades poderiam ser feitas em estádios e deixam de acontecer porque simplesmente o outro está vestido com a camisa do time adversário? Quando eu pinto meu rosto com as cores da minha torcida, isso não precisa significar: "Torcedor do time adversário, não se aproxime!", mas pode querer dizer "Foi para esse time que eu escolhi torcer e isso é somente uma diferença entre nós que não precisa nos separar". A competição é no jogo e fica no jogo, nós não precisamos levar isso para as nossas vidas e para os nossos relacionamentos. Há pontos negativos e positivos em times e religiões, por isso eu não acredito que haja uma religião melhor que a outra, afinal se você consegue viver a Palavra de Deus - ela precisa estar acima de qualquer ritual religioso - sem ser impedido por doutrinas, esteja onde você estiver, você terá salvação.

    Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.
    João 14:16

    Bom, creio que o objetivo dessas postagens já deve estar bem claro para todos. Algumas pessoas acharam que eu generalizei alguns pontos no post passado e esse foi o foco da discordância delas. O meu intuito não é generalizar, é simplesmente selecionar os detalhes para desenvolver melhor o raciocínio. Se, em algum momento, a seus olhos paracer que eu estou generalizando, tenha certeza de que não é esse o meu alvo. Até a próxima.

    LinkWithin

    Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...