• Home
  • Posts RSS
  • Comments RSS
  • Edit
  • ﻼ2013ﻼ

    domingo, 30 de dezembro de 2012
    É interessante notar, ao chegar o fim de mais um ano, as conquistas que foram realidade durante uma etapa de 365 dias de vida. Quando eu olho pata trás e lembro de tudo pelo que passei, nasce em mim um sentimento dúbio: como passou rápido! E também, como aconteceu tanta coisa e tão pouco tempo; acaba parecendo que foram mais de 365 dias. Aquela frase super clichê que fala que nunca imaginei me aproximar de algumas pessoas e também nunca imaginei me afastar de outras virou realidade esse ano mais do que nunca. Isso, porém, foi recebido por mim sem tanta surpresa. Apesar de ter tido momentos maravilhosos com amigos remanescentes do meu terceiro ano do Ensino Médio, a maioria eu não só não vejo, como também não falo mais. Mas, convenhamos, isso seria inevitável, não?
    Sinto-me muito feliz, porém, ao pensar que isso não deixa marcas tão intensas em mim, já que Deus não somente me colocou em uma igreja que amo, como também se encarregou de me dar amigos preciosíssimos lá. Além de tudo, tive oportunidade de viver momentos mais próximos de alguns deles e isso foi muito bom. Falando assim, até parece que o carinho que tive com minha última turma de colégio era pequeno, mas é justamente o contrário. O que vocês estão lendo é um discurso de alguém que sente muitas saudades de tudo o que vivi ano passado, mas já aceitou que não volta. Esse ano entrei na faculdade e muita, muita coisa mudou, não somente ao meu redor, mas também dentro de mim.
    Emociono-me somente em pensar nas pessoas que fizeram esse ano ser tão especial, mesmo sendo o mais difícil da minha vida. Passei por muitos problemas, desafios e etapas complicadas e, tenho certeza, não teria sido a mesma coisa sem elas. Sou muito grato a Deus pela minha família e amigos que colorem os meus dias com tanto amor. 
    Não posso deixar de falar de vocês, hein, leitores do Raízes? Afinal, esse texto nem existiria se não fosse por vocês que, diga-se de passagem, elogiam-me muito mais do que penso que mereço. Muito obrigado por cada selo, cada elogio, cada sentimento compartilhado e cada afinidade verbalizada. 2012, apesar de tudo, foi um ano extremamente frutífero para mim e, espero, que seja só uma amostra do que 2013 será. Perdoam-me se o texto ficou muito longo, mas como fazer o último post do ano em poucas palavras? Aliás, eu teria muito mais coisas para falar, mas paro por aqui. Feliz ano novo para todos vocês, meus queridos! 

    Arraigados e edificados nele, e confirmados na fé, assim como fostes ensinados, nela abundando em ação de graças.
    Colossenses 2:7

    ﻼCasa 32 e Seloﻼ

    quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

    Esse seria o primeiro Natal que eu passaria sozinho. A não ser que alguém da vizinhança me visse e abrisse a porta gritando: “Junte-se a nós!”, eu estaria o mais solitário possível durante a noite inteira. Mas não acredito que o espírito natalino faça tanto com as pessoas. Afinal, um estranho que pode roubar algo de sua casa continua sendo um estranho que pode roubar sua casa, não é o Natal que vai mudar isso. Não que eu seja assim, mas podem pensar isso, não?
    Mas não estou preocupado com o que podem pensar. Pelo menos, não é isso que passa pela minha cabeça agora enquanto estou na praça que achei perto do ponto de encontro em que eu e meus melhores amigos marcamos de nos encontrar. Cheguei atrasado porque tive um péssimo dia; todas as minhas esperanças de a noite compensar tudo foram por água abaixo quando só percebi que estava mais de uma hora atrasado ao chegar à frente da casa 32, a mais brilhante dos arredores, nosso ponto de referência.
    O mais estranho é que não me ligaram nem me mandaram uma mensagem... Agiram como se não houvesse mais alguém para chegar. Não que eu justifique meu atraso pelo que aconteceu, mas, no lugar deles, creio que eu ligaria. Eu estava querendo encontrar alguém com quem pudesse me distrair de todas as dificuldades que vivi hoje. Tudo parecia querer dar errado. E muitas coisas deram errado. O que eu queria agora era um ombro para chorar. Que melancolia! Estou começando a não gostar mais tanto do Natal...
    Percebo, ao olhar para o lado, os bancos vazios perto de mim. Todos eles com restos de neve em seus recantos, cercados pela brancura de mais neve ao redor e por luzes penduradas em todos os lugares disponíveis para isso. Luzes que brilhavam, piscavam, faziam um barulho de... Passos? Não, distrai-me demais, devo estar imaginando coisas.
    -Elias? – virando meu rosto para o lado oposto, vi Sandro vindo em minha direção com um sorriso radiante no rosto.
    -Sandro, o que você está fazendo aqui? – levantei-me enquanto ele me puxava para um abraço apertado. – Você não foi com os outros?
    -Fui, mas voltei. – ele se afastou - Eu sabia que você viria. Está tudo bem? Por que você se atrasou? – havia uma dose de compaixão em sua voz.
    -Não tive um bom dia, mas não acho que seja assunto para agora, Sandro... – desviei o olhar.
    -Tudo bem. É Natal, né? Vamos. – ele puxou minha mão.
    -Para onde? – hesitei.
    -Para a festa, ora. Eu vim te buscar. Todo mundo disse que eu daria a viagem perdida, mas eu sabia que não. Vamos, amigão?
    -Vamos. Amigo. – repeti a última palavra sentindo a verdade que Sandro dava a ela. 



    Bem, eu tinha de falar sobre Natal, não é mesmo? Não somente pela tradição, é minha época do ano preferida. No fim do ano tudo fica mais bonito, mesmo o Natal sendo ameaçado pelo dia 21 - não, não vou fazer piadinha com isso. Não achei que o texto ficou tão bom, mas foi o que minha inspiração permitiu. Acho que o Natal trata-se de família, amizade, companhia. Não consigo pensar em quem não tem isso e não tem a sorte de nosso colega Elias.
    Quero lembrar de agradecer a todos os parabéns recebidos no último post. Vocês que realmente ficaram felizes com isso me fizeram sorrir. Aí em cima vocês veem o belo selo que a linda da Patrícia N. - do blog Complicated Imperfect - indicou para mim. Muito obrigado, mana, a você que tem sempre lembrado de mim, apesar dos meus atrasos inevitáveis e visitas inconstantes, ao contrário das suas.


    Vamos às regras:
    1 - Nomear 15 blogs. (podem ser dez?) Cadê minha fluoxetina? | Coloridamente Cinza |  Fallen In Me | de Dai para Isie | Strawberry de livros e filmes | Conversando com a lua | Hipérboles | Identidade Aleatória | :: Elos no Horizonte :: | Folhas Soltas | Julie Amargamente Doce
    2 - Avisar as pessoas que nomeou. Farei isso.
    3 - Agradecer o blog que te nomeou. Patrícia, muito obrigado mesmo! Já fazia algum tempo que não recebia selos e essa foi uma ótima surpresa! E já tem outro encaminhado, não é? Você é demais.
    4 - Adicionar o post ao blog. Aqui está.
    5 - Adicionar 7 coisas que você gosta. Blogosfera, seriados, livros, música, cinema, tecnologia e bom humor. Gostar é diferente de amar, então, fiz um balanço.

    Desculpem-me se o post ficou muito extenso, mas quem posta pouco como eu precisa aproveitar. E, para finalizar, não esqueçam o verdadeiro sentido do Natal! Que Jesus esteja no coração de todos vocês e até a próxima!

    Estas coisas vos escrevi a vós, os que credes no nome do Filho de Deus, para que saibais que tendes a vida eterna, e para que creiais no nome do Filho de Deus.
    I João 5:13

    ﻼPrimeiro Anoﻼ

    quarta-feira, 5 de dezembro de 2012
    Hoje vai ser uma festa! É isso aí, o Raízes Firmes está completando um ano de existência no dia 4 de dezembro. É motivo de comemoração e alegria para mim, já que consegui conciliar a correria com a vida virtual – não tão bem assim, eu sei – e fazer um trabalho de qualidade aqui.

    Existe bolo de festa surpresa mais lindo que esse?
    Por falar em correria, quero me desculpar com vocês pelo meu sumiço – em novembro só postei uma vez! Foi por motivos justos: um deles é que eu participei da I Semana C.S. Lewis no Ceará, que aconteceu no Museu de Arte da UFC (Universidade Federal do Ceará). Outro, bem mais relevante, foi que dia 17 de novembro foi meu aniversário de 19 anos e eu comemorei por uma semana! Deixa-me explicar: passei dois dias na casa de uma amiga, onde tive uma singela e bonita comemoração, tive um almoço especial com outra amiga que faz aniversário na mesma semana que eu, ganhei a mais linda festa surpresa na minha igreja com muitos dos meus amigos e ainda fui chamado para soprar velinhas com alguém especial que faz aniversário junto comigo, tendo essa festa acontecido dois dias antes da data.

    Parabéns reservado que recebi na casa da minha amiga Isadora
    Deu para entender um pouco porque não tive tempo para o blog, né? Além disso tudo, tive coisas de faculdade como provas, produções de texto e mais tantos detalhes que tomaram meu tempo durante esse que foi o novembro mais intenso da minha vida. Nunca ganhei tanto presente – não foi de fazer montanhas na minha cama, mas foram muitos – sem promover uma festa. Quem se preocupou e mandar mensagens no Facebook também fez isso com louvor.

    Os três aniversariantes da semana.
     Enfim, agora vamos para o aniversariante da vez: o blog! Lembro como se fossem ontem as primeiras postagens apresentando o blog e falando sobre as festividades de fim de ano que eu amo tanto. Eu queria ter mais tempo e condições de me dedicar à página para esmiuçar com mais qualidade cada fato ocorrido que foi citado acima. Sinto-me em dívida em falar, por exemplo, da festa que ganhei só citando-a. Não sei se faz sentido eu fazer isso depois. Mas o blog faz parte da minha vida como se fosse um amigo chegado, que sempre tem coisas boas para me acrescentar quando nos encontramos. Vê-lo completando um ano é como se eu realmente o tivesse conhecido há um ano, e não o criado.

    Existem muitos outros blogs por aí que tem por dia as visitas que eu ganho em um mês, mas estou muito satisfeito com todos os frutos que tenho colhido aqui, afinal eu sei bem – e vocês tem noção disso – do trabalho que dá. Só quero agradecer a todos vocês, leitores fiéis ou não, mas que, de alguma maneira, fizeram parte do primeiro ano do Raízes. Muito obrigado! Tenho profunda admiração por muita gente que conheci através daqui.

    Enfim, eu acho que é isso. Fiz uma página no Facebook como presente meu para o blog e peço a vocês que a curtam. Sintam-se como se a página fosse a festa e, todos vocês, convidados dela. Entrem e divirtam-se! Procurarei postar coisas interessantes por lá, complementos de tudo o que vemos por aqui. Até mais, queridos!

    Para acessar a página do Raízes Firmes no Facebook, clique AQUI. Abraços firmes e até a próxima!

    Porque será como a árvore plantada junto às águas, que estende as suas raízes para o ribeiro, e não receia quando vem o calor, mas a sua folha fica verde; e no ano de sequidão não se afadiga, nem deixa de dar fruto.
    Jeremias 17:8


    ﻼO Vingador do Futuroﻼ

    sexta-feira, 9 de novembro de 2012
    Como vi que falar sobre filmes aqui dá certo, vamos continuar, né? Afinal, a gente não meche em time que está ganhando! - nem sei se é assim que se diz. Enfim. - Dessa vez quero apresentar para vocês um filme mais recente, que eu assisti quando estava em cartaz nos cinemas, mas só tive oportunidade de postar agora devido ao meu planejamento. Trata-se do remake de O Vingador do Futuro (Total Recall), que foi estrelado originalmente por Arnold Schwarzenegger.

    A premissa da nova versão envolve uma disputa entre os estados-nações Euroamerica e New Shanghai. Vilos Cohaagen (Bryan Cranston) é o líder de Euroamerica, que secretamente prepara uma invasão do estado-nação asiático sob o pretexto de defender o povo euroamericano. Farrell faz Quaid, um operário de fábrica em New Shanghai que começa a acreditar que é um espião (para qual lado, ele não sabe). - (Sinopse extraída do Filmow).

    Não sei se gostar de remakes prestigia ou desvaloriza minha vida de cinéfilo, só sei que me divirto bastante com eles. Releituras são sempre dolorosas para os mais conservadores - especialmente aqueles que viveram a época de nascimento dos grandes clássicos -, mas não há como negar que a tecnologia e a visão de outro diretor pode melhorar muitos aspectos de uma produção antiga. Falando sobre O Vingador do Futuro, eu me lembro de que, quando criança, via suas exibições dubladas na Sessão da Tarde - creio eu que com algumas cenas cortadas - e achava hilário os momentos de exposição ao sol que fazia os olhos das pessoas se esbugalharem. Aqui não temos isso.

    Colin Farrel: Confesso que nunca fui muito fã do trabalho desse ator, o que não me fez necessariamente torcer o nariz diante de sua aparição. Na realidade, eu estava curioso em relação a isso, já que o único filme em que pude ver realmente um pouco do seu trabalho foi em Demolidor - O Homem Sem Medo, no qual ele tinha uma vilã pontaria de matar - literalmente. Não me decepcionei. As nuanças externalizadas pela complexidade de seu personagem foram bem agradáveis. Sim, ele interpreta quase que duas personalidades, pois por meio da tecnologia futurista do filme, ele pode se comunicar por mensagens deixadas em hologramas por ele mesmo antes de perder a memória em meio ao caos em que se encontra. Para quem não sabe da história, ele passa o filme inteiro tentando recuperar sua identidade, que foi adulterada em função dos perigos de sua vida de espião. Isso traz a ele inúmeros problemas que precisam se uma solução urgente, já que sua vida passa a depender disso no momento em que ele descobre toda a enganação que sua vida se tornou.

    Kate Beckinsale: Não tive como não babar o filme inteiro cada vez que esse espetáculo em forma de gente dava o ar de sua graça. Já admirador de sua forte presença na franquia Anjos da Noite, eu gostei muito de ver Beckinsale em cenas de ação mais humanas. O papel dela no filme é de pseudo-esposa do personagem de Farrel. Sendo uma espiã disfarçada que zela para que seu "marido" não desconfie de nada do seu passado, ela surta ao perceber que o que mais temia acontece. Começa, então, uma caçada voraz que coloca todos os seus momentos de amor fingido por água abaixo. Ela passa o filme inteiro dando ordens e berrando para não perder seu alvo querido que, a cada momento, chega mais perto da verdade. Gostei muito do fato de ela não ter me lembrado em nada a vampira Selene, mesmo tendo em comum com ela o fato de passar boa parte do filme com armas na mão. Tendo até a oportunidade de encontrar um de seus colegas de franquia em uma das cenas - deixo isso para os mais informados -, ela cumpre com louvor seu papel simples e eficiente.


    Jessica Biel: Não há como juntar Beckinsale e Biel e dizer que isso já basta para valer o ingresso. Apresento a vocês a verdadeira mulher do personagem de Farrel, que a tem deletada de sua mente pela infeliz consequência da vida de espião. O encontro entre os dois, que acontece de forma inusitada e extremamente conveniente, dá sequência a mais uma série de cenas fervilhantes de ação. Apesar da falta de memória do seu perdido esposo, ela o visita em seus sonhos e o faz levantar profundos questionamentos sobre o seu passado, o qual ela mesma o ajuda a desvelar. Sou extremamente fã da atuação dessa moça que, desde que a vi no remake de 2003 de O Massacre da Serra Elétrica, consegue mostrar conforto e serenidade mesmo em seus papeis mais dramáticos. Extremamente companheira e auxiliar de seu marido, tornando-se conselheira e corajosa em vários momentos, ela torna-se peça fundamental para o desfecho da trama que mostra a infeliz barreira quase que intransponível das diferenças sociais mesmo em um mundo futurista, desenvolvido e totalmente renovado pela tecnologia avançada.


    Não posso deixar de fazer minhas considerações finais falando sobre o que isso tem a ver com o Raízes Firmes. Uma das coisas que mais me chamou atenção no filme foi o processo de recuperação de memória do personagem de Farrel, o qual sempre tinha alguém para dar pitaco em sua vida. Chegando ao ponto de ele não se sentir à vontade para expressar seus sentimentos e ambições, eu pensei: "Até onde você deixa as pessoas dizerem quem você é?". Ditar regras e padrões para a vida dos outros é fácil e cômodo, difícil é fazermos uma auto-análise e ver como o nosso passado se arranja em nosso presente. Mesmo que não sejamos espiões vivendo uma vida de risco dia após dia, somos pessoas que batalham incessantemente por um dia de amanhã que possa nos trazer realizações e sossego. Isso, contudo, só é possível de se encontrar quando estamos bem conosco e com Deus.


    Para assistir ao trailer do filme, clique AQUI.

    Porque, como imaginou no seu coração, assim é ele. Come e bebe, te disse ele; porém o seu coração não está contigo.
    Provérbios 23:7



    ﻼIgreja Futebol Clube 4ﻼ

    sábado, 20 de outubro de 2012
    É com muita alegria que faço o post de encerramento da primeira série do Raízes Firmes: Igreja Futebol Clube! Celebro isso porque ganhei muito com essas postagens: interação com novos blogueiros, contato com opiniões diferentes que me inspiraram a futuros assuntos, críticas positivas e negativas acerca da forma como escrevo e por aí vai. Claro que existem aqueles comentários que não se preocuparam nem em disfarçar que não leram absolutamente nada do que escrevi - o que posso fazer? -, mas pontos negativos como esse são o de menos na vida em blogosfera, não é mesmo? Bem, mas vamos ao que interessa para esse encerramento:



    Não quero abordar dois pontos desta vez; quero fazer meio que um caminho contrário do que as três postagens anteriores. Nós vimos que, praticamente, muitos dos pontos que podem ser muito negativos dentro de comunidades são comuns tanto na religião quanto no futebol, mas o que isso quer dizer? Alguns podem dizer: "Quer dizer que nenhuma das duas comunidades presta!". Não gosto desse tipo de radicalismo. Religião e futebol nunca serão perfeitos por um simples motivo: as duas são formadas por gente, e onde há gente há problema. As pessoas são assim. Mas o que seria de nós sem defeitos? Não são eles que nos fazem crescer? É muito lindo ler uma poesia ou ouvir uma música que fala sobre esse tipo de superação, mas quando isso precisa ser vivido dentro desse ou de qualquer outro contexto, as pessoas fogem dele, escondem-se em máscaras de radicalismo e opiniões que são verdadeiros escudos blindados. Não chamo isso de falsidade. Prefiro ver como um artifício equivocado de proteção. Se eu pensasse desse modo, nunca teria escrito essa série; quem me conhece sabe que não gosto nem pouco de futebol e levantar bandeira de religião também não é minha praia mas, para você que acompanhou pelo menos duas postagens: não tivemos muito a aprender?


    André Valadão é um dos maiores nomes da música gospel do Brasil. Começou sua carreira como cantor no Ministério de Louvor Diante do Trono, onde era importante vocalista. Investiu em carreira solo no ano de 2003 e, em 2007, deixou definitivamente o ministério por já ter uma visão específica suficiente em seu próprio trabalho. O que ele tem a ver com esse post? Em 2006, no seu álbum Alegria - terceiro de sua carreira - foi gravada uma canção chamada País da Adoração. Ela faz exatamente esse link entre futebol e religião. Foi um acontecimento que chamou bastante atenção: primeiro porque a canção emplacou nas mais tocadas nas rádios evangélicas do Brasil, segundo porque, em 2006, o nosso país perdeu a Copa e ser patriota depois disso foi deixado de lado por muita gente. Com essa canção, André fez exatamente o que tentei fazer aqui nesses quatro posts: ver que, apesar dos defeitos dessas duas comunidades, elas têm também pontos positivos que podem ser unidos para que uma nação funcione melhor. Como? Sua perspectiva é a seguinte: somos conhecidos mundialmente como o País do Futebol. Já pensou se fôssemos conhecidos também por País da Adoração? Isso seria o máximo, pois um país que busca a Deus é um país feliz! Muitos dos nossos problemas seriam resolvidos com o temor a Deus e se as pessoas levassem isso tão a sério quanto levam a Copa do Mundo, tudo seria diferente. 

    como perder barriga
    Para ouvir a música País da Adoração, clique AQUI
    Bem-aventurada é a nação cujo Deus é o SENHOR, e o povo ao qual escolheu para sua herança.
    Salmos 33:12

    ﻼUm Homem de Sorteﻼ

    terça-feira, 9 de outubro de 2012

    Finalmente farei meu primeiro post sobre livros. Não há como escolher entre literatura e cinema; sou apaixonado pelos dois e postar sobre isso aqui é muito bom.  Recebi um ótimo selo da Rafa do Hiper Friends que me deu uma ótima oportunidade. O selo, que é sobre leitura, traz algumas perguntas e, para completar, eu não poderia deixar de falar das minhas impressões sobre a obra. Para deixar tudo completo, começaremos pela sinopse:


    “Mas não estava em outra época e lugar, e nada daquilo era normal. Trazia a fotografa dela consigo há mais de cinco anos. Atravessou o país por ela.” “Era estranho pensar nas reviravoltas que a vida de um homem pode dar. Até um ano atrás, Thibault teria pulado de alegria diante da oportunidade de passar um fim de semana ao lado de Amy e suas amigas. Provavelmente, era exatamente isso de que precisava, mas quando elas o deixaram na entrada da cidade de Hampton, com o calor da tarde de agosto em seu ápice, ele acenou para elas, sentindo-se estranhamente aliviado. Colocar uma carapuça de normalidade havia-o deixado exausto. Depois de sair do Colorado, há cinco meses, ele não havia passado mais do que algumas horas sozinho com alguém por livre e espontânea vontade. (...) Imaginava ter caminhado mais de 30 quilômetros por dia, embora não tivesse feito um registro formal do tempo e das distâncias percorridas. Esse não era o objetivo da viagem. Imaginava que algumas pessoas acreditavam que ele viajava para esquecer as lembranças do mundo que havia deixado para trás, o que dava à viagem uma conotação poética; prazer de caminhar. Estavam todos errados. Ele gostava de caminhar e tinha um destino para chegar. - Sinopse extraída do Skoob.

    Não poderia começar meu comentário de outra maneira: sou fã de Nicholas Sparks. Já li, pelo menos, 5 livros dele e gostei de todos. É óbvio que quero mais; há um número bem maior de livros de sua autoria que ainda não li.  Mas, deixando isso de lado, Um Homem de Sorte é um de seus livros mais leves. Sim, há surpresas e fatos importantes diluídos ao longo da trama que nos envolve facilmente e nos dá curiosidade por saber mais, porém o aspecto melancólico e dramático em demasia criticado por muitas pessoas que leem os romances adocicados de Sparks não é tão intenso nessa história.
    Algo que preciso destacar é o desenvolvimento dos personagens. Sparks se preocupou em nos deixar conhecer profundamente cada personagem desse romance e eu achei isso incrível! O número relativamente pequeno de pessoas envolvidas na trama ajuda; a intimidade que se consegue alcançar com os pensamentos, emoções e conflitos de cada uma delas foi extremamente satisfatório para mim.
    É apaixonante a presença sutil de Zeus, o cão de Logan, que inspira belas amizades. Mesmo sendo um romance mais maduro, diferente de A Última Música e Querido John, Um Homem de Sorte consegue alcançar uma eficiente jovialidade com a diversão de várias cenas, diálogos e momentos divertidos da personalidade dos personagens.
    Enfim, não teria como eu falar muito mal de um livro que ganhei de aniversário, não é? Isso já faz quase um ano - faço aniversário em 17 novembro e ganhei o livro dia 26 de novembro do ano passado. Lembro-me de muita coisa boa daquela época e é engraçado ver quanta mudança aconteceu. De certa forma, Logan passou por alguns momentos comigo e eu sou muito feliz de tê-lo conhecido. Para encerrar, só adianto uma coisa: o fato mais belo desse livro é a amizade. Se você tiver um amigo que saiba lhe falar as coisas certas, fazer você ter fé, apegue-se a ele com todo o seu carinho; isso é muito valioso. Quem leu o livro, sabe do que estou falando. Se você vai ler, concordará comigo.  
    Enfim, vamos às questões:

    1. Qual o livro que você está lendo? Um Homem de Sorte
    2. Em que página você está? Já acabei.
    3. Quando você começou a lê-lo? Não me lembro exatamente; acho que foi em junho. - já li pelo menos três livros depois dele, mas não pensei duas vezes em fazê-lo objeto do selo.
    4. Qual a nota você dá para ele? (Dê quantas estrelas você achar que merece) Três estrelas e meia. É um livro ótimo e está entre meus preferidos, mas não é o melhor de Nicholas Sparks.
    5. Abra seu livro na página 28 na linha que corresponda à sua idade e digite a frase/passagem que estiver lá: "Até o momento, ninguém os havia incomodado".
    6. Qual a última frase do seu livro? "Como se estivesse lendo sua mente, abriu os braços".
    7. Qual a primeira frase do livro? "O policial Keith Clayton não os ouviu se aproximar e, de perto, suas aparências não eram ainda piores do que quando os vira pela primeira vez."
    8. Coloque uma foto de você com seu livro/ ou apenas a imagem do livro:


    9. Postar o selo:


    10. Repassar para algum/alguns blog(s) que você goste e ache que o blogueiro (a) tenha capacidade para responder. Eu não gosto de não indicar, mas vou ter de deixar essa passar. Estou com o tempo muito corrido, mal dá para responder aos comentários. Meu segundo semestre começou - até que enfim! - e eu já falei para vocês de muitas das coisas que eu tenho para fazer além da faculdade. Isso não impede de você que está lendo esse post de fazê-lo. Isso me deixaria muito feliz. Aproveito a para agradecer à Rafa pelo selo, gostei demais de recebê-lo. Abraços firmes e até mais.

    Não deixes o teu amigo, nem o amigo de teu pai; nem entres na casa de teu irmão no dia da tua adversidade; melhor é o vizinho perto do que o irmão longe.
    Provérbios 27:10

    ﻼIgreja Futebol Clube 3ﻼ

    terça-feira, 25 de setembro de 2012
    De acordo com a ordem estabelecida, trago mais dois aspectos comuns ao futebol e à religião para analisarmos.  Confesso para vocês que tem sido cada vez mais difícil escolher as três fotos que fazem parte de cada post da série, pois acho cada uma mais inspiradora que a outra! Como admirador da arte de fotografar, pouco importa o que seja registrado, o que vale é a arte, não? Sem mais delongas, vamos direto ao ponto:


    1. Referência: "Quem não sonhou em ser um jogador de futebol?" já diz a velha canção. O fato é que, quando se fala sobre jogadores de futebol, a lista que passa em nossas cabeças é imensa, mesmo não gostando do esporte, já que, morando em um país como o Brasil, é impossível não ser contaminado por informações como essas. Muitos jogadores são vistos como verdadeiros super-heróis por adultos e crianças. Quem já não viu um garoto sonhador dizendo que, quando crescer, quer ser um jogador tão bom quanto Cristiano Ronaldo? O mesmo acontece no meio religioso, o que se torna - não que no futebol não possa ser - extremamente perigoso. Sendo representantes de crenças espirituais, muitos líderes são, ingenuamente, vistos como heróis em meio ao desespero de pessoas necessitadas. Já houve tempos em que questionar suas palavras ou atitudes era algo totalmente desrespeitoso. Hoje, porém, isso é comum e até motivador - parece até moda falar mal de pessoas como Edir Macedo ou Valdemiro Santiago. Nomes de jogadores e líderes religiosos - principalmente os que estão em evidência - estão corriqueiramente metidos em escândalos, o que nos leva a concluir que eles são tão humanos quanto nós. Óbvio? Para muita gente não é. Não é conveniente nem que baixemos a cabeça para tudo o que eles fazem nem que estejamos a postos para atirar pedras quando virmos um erro, afinal, qual de nós não erra? A diferença é que não temos milhares de olhares em expectativa nem emissoras prontas a conseguir matérias líderes de audiência sobre nós.

    E, como insistissem, perguntando-lhe, endireitou-se, e disse-lhes: Aquele que de entre vós está sem pecado seja o primeiro que atire pedra contra ela.
    João 8:7

    2. Multidão: Jogos, cultos e shows de música cristã são sempre motivo de lotação dentro dos estádios. Dos maiores aos menores nomes dentro de cada segmento, podemos ter certeza de uma coisa: onde quer que eles estejam, haverá muita gente e muitos flashes atrás deles. O que há de errado nisso? Até aí nada, o problema vem depois. O que difere cada um dentro dessa multidão é a razão que os faz estar ali. Sempre vejo repórteres que cobrem matérias a respeito de brigas dentro e fora dos estádios dizerem que, quem pratica tais atos exageradamente violentos usando seu time como desculpa, não é torcedor de verdade, mas um vândalo disfarçado. Chegar a quebrar cadeiras dentro dos estádios, arrancar grades, machucar e até matar outras pessoas que, às vezes, não tem nada a ver com a situação são sempre notícia. O desequilíbrio, porém, não se restringe ao futebol. Ele também extrapola, muito embora seja de forma totalmente diferente, dentro da religião. Carências dos mais variados tipos são manifestadas através do fanatismo, da intolerância, da dependência de rituais, enfim, da falta de respeito que origina tantos problemas dentro de onde deveria ser um lugar de acolhimento e compreensão. Mais deprimente ainda é quando líderes sem compaixão se utilizam dessas carências para obter vantagem das mais variadas naturezas. Em meio à multidão encontramos muitas vidas, muitas histórias, muita fé. Resta saber onde cada um de nós está, se simplesmente dentro de uma igreja ou se a igreja está, como Jesus disse que deveria ser, dentro de nós.

    E foi com ele, e seguia-o uma grande multidão, que o apertava.
    Marcos 5:24

    ﻼAtualizaçãoﻼ

    terça-feira, 11 de setembro de 2012
    Posso atualizar a vocês da minha vida? É sempre bom saber um pouco sobre a pessoa da qual você lê textos frequentemente, né? Sempre digo nesses momentos que não sou muito fã de falar sobre a minha vida aqui, mas é bom para estabelecermos uma certa proximidade. Bem, vamos ao que interessa.
    A greve da Universidade Federal do Ceará finalmente terminou. Hoje, terça-feira, dei a viagem perdida - é isso mesmo, não teve aula - depois de ter deixado de ir na segunda-feira temendo que ocorresse a mesma coisa. Não me precavi o bastante. Fico sem reação diante da postura de professores que querem passar uma imagem tão séria e intelectual e tomam atitudes tão... pequenas. E não é somente sobre essas faltas pós fim de greve que estou falando. Mas falar sobre universidades ou greve não é meu objetivo.
    Durante esse período de férias/greve eu postei uma vez por semana. Agora, provavelmente, passarei a postar uma vez a cada duas semanas como fazia antes - é, duas postagens por mês. Eu sei que é pouquíssimo, mas eu gosto de fazer as coisas da melhor forma possível. Gosto de preparar os posts com cuidado e antecedência, responder comentário por comentário, visitar blogs novos e tudo isso leva tempo. Eu não consigo conciliar estudo com vida intensa de blogueiro. Para fazer as duas coisas bem-feitas, só consigo assim.
    Estou dizendo isso tudo para que aqueles que realmente sentem minha falta por aqui saibam que não sumirei nem abandonarei o blog. Só não serei tão presente quanto antes, até porque, por mais que eu o ame, eu fico meio cansado de cuidar do blog as vezes.
    Um fator agravante é meu trabalho na igreja. Como líder do ministério de teatro, tenho muito trabalho a fazer - roteirizar, dirigir, produzir... - e nesse segundo semestre estamos com três peças encomendadas. Desejo falar mais sobre esse meu lado cênico em algum post, mas tenho que parar por aqui antes que a empolgação tome conta dos meus dedos.
    Meu outro objetivo com esse post é me deixar mais confortável e com a mente mais fresca para pensar nas próximas atualizações. Preciso terminar a série Igreja Futebol Clube - faltam dois posts - e preparar mais algumas indicações de filmes - fiquei impressionadíssimo com a repercussão da primeira indicação. Um Encontro Com Seu Ídolo já é o post mais lido do blog!
    Agora vou deixar vocês com o trailer do novo projeto do Ministério de Louvor Diante do Trono - o 15º CD e DVD da série gravado em Manaus - que se chama Creio. Como segundo maior ministério de louvor do mundo, o Diante do Trono tem feito projetos com excelência e unção. Esse vídeo extremamente empolgante mostra um pouco do que chegará às lojas nos próximos meses. Confiram:



    Ele disse: Creio, Senhor. E o adorou.
    João 9:38

    ﻼIgreja Futebol Clube 2ﻼ

    domingo, 2 de setembro de 2012
    Como prometido, vou continuar com a analogia sobre como futebol e religião se parecem. Fiquei muito surpreso com a repercussão da primeira parte dessa série pois, além de ter ficado como post mais lido do blog em apenas duas semanas, muitas pessoas concordaram comigo - claro que houve discordâncias, mas fiquei feliz com o compartilhamento de opiniões e tudo o que vocês tiveram para acrescentar. Continuarei desenvolvendo mais dois tópicos dessa semelhança sutil - ou não - que nos dá oportunidade de rever nossos conceitos.


    1. Herança - É isso mesmo, herança. Quantos de nós não sabemos - ou mesmo vivemos - tantas histórias de como os pais levam seus filhos para o estádio. Histórias sobre como o primeiro jogo assistido de perto foi emocionante e intenso. Relatos sobre a primeira camiseta do time comprada numa data simbólica e tradições familiares relacionadas a determinado time como temas de aniversário. Até mesmo a contaminação das cores e da bandeira do time estampadas nas toalhas, lençóis, colchas de cama, tapetes, canecas, molduras e por aí vai... Agora podemos pensar quantas vezes também ouvimos relatos de filhos que, desde muito pequenos, eram levados à igreja pelos pais. Relatos de apego à EBD - Escola Bíblia Dominical - por proporcionar crescimento espiritual e laços mais próximos com os colegas de culto. Testemunhos sobre crianças que descobriram seus ministérios - música, teatro ou dança - desde muito cedo, quando eram incentivadas pelos pais e por seus líderes espirituais ao serviço na casa de Deus. Ou seja: famílias reunidas em prol de investimentos que acreditam ser importantes, o que acaba passando de pai para filho, tornando-se um ciclo firmemente enraizado na cultura de várias gerações. Uma herança que é oficializada pela emoção, costume, espiritualidade, identificação. Percebeu como são semelhantes? Não há porque não olhar para as duas práticas com naturalidade. Só apoio a continuidade da existência do livre arbítrio. É bonito falar sobre esse tipo de herança quando se faz bem à criança, agora forçá-la a torcer para determinado time ou fazer parte de uma religião em que ela não se encontra é opressor. A Palavra diz para que os pais ensinem os filhos no caminho, para que quando estiverem maiores, não se desviem dele. Ensinar o caminho de Deus é diferente de obrigar alguém a fazer parte de uma religião. O caminho do Senhor está acima de qualquer doutrina ou ritual, assim como torcer para determinado time por obrigação tira todo o brilho da paixão pelo esporte.

    Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele. Provérbios 22:6

    2. Partido - É uma verdadeira chapa política o que algumas pessoas fazem para defender seu time ou religião. Chingar o time do outro, seus jogadores e treinadores e contar vantagem em cima de vitórias estrategicamente selecionadas é comum entre torcedores. Dizer que determinado time é maior que outro porque tem mais torcedores, porque tem os maiores jogadores do Brasil ou porque está indo bem em todos os jogos da temporada acontece corriqueiramente entre aqueles que precisam se sentir ao lado dos maiores. A questão é: precisa disso? Eu sou evangélico, mas posso garantir para você que não coloco um dedo sequer no fogo pela minha religião, muito menos pela denominação da congregação da qual faço parte. Jesus foi bem claro ao dizer que Ele é o caminho, a verdade e a vida e que ninguém vai ao Pai senão através Dele. Através Dele somente! Jesus não disse em momento algum enquanto esteve nesse mundo como homem que religião A ou B são as certas e D e E são as erradas. Religião foi algo criado pelo homem para facilitar o relacionamento com Deus, mas o tiro acabou saindo pela culatra porque é uma das coisas que mais divide as pessoas. Assim como times de futebol! Quantas amizades poderiam ser feitas em estádios e deixam de acontecer porque simplesmente o outro está vestido com a camisa do time adversário? Quando eu pinto meu rosto com as cores da minha torcida, isso não precisa significar: "Torcedor do time adversário, não se aproxime!", mas pode querer dizer "Foi para esse time que eu escolhi torcer e isso é somente uma diferença entre nós que não precisa nos separar". A competição é no jogo e fica no jogo, nós não precisamos levar isso para as nossas vidas e para os nossos relacionamentos. Há pontos negativos e positivos em times e religiões, por isso eu não acredito que haja uma religião melhor que a outra, afinal se você consegue viver a Palavra de Deus - ela precisa estar acima de qualquer ritual religioso - sem ser impedido por doutrinas, esteja onde você estiver, você terá salvação.

    Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.
    João 14:16

    Bom, creio que o objetivo dessas postagens já deve estar bem claro para todos. Algumas pessoas acharam que eu generalizei alguns pontos no post passado e esse foi o foco da discordância delas. O meu intuito não é generalizar, é simplesmente selecionar os detalhes para desenvolver melhor o raciocínio. Se, em algum momento, a seus olhos paracer que eu estou generalizando, tenha certeza de que não é esse o meu alvo. Até a próxima.

    ﻼUm Encontro Com Seu Ídoloﻼ

    domingo, 26 de agosto de 2012
    Quem me conhece sabe que tenho alguns vícios. Um deles chama-se "cinema". Ou simplesmente "filmes", se você preferir. Baseado nisso, quero começar a fazer um tipo de postagem inédita não só nesse blog, mas em toda minha jornada de blogueiro. Quero falar sobre longas-metragens e fazer indicações para vocês. Para começar, escolhi um filme que passou na Sessão da Tarde há algumas semanas e que é um dos meus preferidos. Não é um filme grandioso, mas uma comédia romântica simples e despretenciosa e eu também amo filmes que são feitos simplesmente só para divertir. Seu nome é Um Encontro Com Seu Ídolo (Win a date with Tad Hamilton!).


    Sinopse: Típica garota do interior, Rosalee é ingênua e cheia de sonhos. Ela participa de um concurso que dá como prêmio um encontro romântico com o astro do cinema Tad Hamilton. E para a sua própria surpresa, ela ganha! Seu amigo e colega de trabalho, Pete, secretamente apaixonado por Rosalee, entra em desespero. Afinal, ele nunca sequer imaginou que um dia teria de competir com um superastro das telas. Sua situação se complica ainda mais quando o inesperado acontece: não apenas Rosalee quem se apaixona por Tad, mas o próprio galã, com fama de Bad Boy, também se apaixona por ela. É quando o sonho de Rosalee se torna o pior pesadelo de Pete.

    Em meio a comentários específicos sobre os atores - como trabalho com teatro, é irresistível para mim fazer isso - falarei mais sobre o filme:

    Kate Bosworth - Eu preciso dizer que fiquei abismado com os olhos dessa garota. Percebi através das fotos que eu via para postar aqui que seu olho direito tem uma tonalidade diferente do esquerdo. Essa foto que eu escolhi não possibilita muito a noção do detalhe, mas é só jogar o nome dela no Google e você verá a diferença. Mas, enfim, ela se encaixou perfeitamente no papel de Rosalee. Dona de muitos jargões que podem virar piada de qualquer grupo de amigos que virem esse filme juntos e sincera até o último minuto, sua personagem consegue ser extremamente decidida e mansa ao mesmo tempo. Surta com a possibilidade de conhecer seu ídolo Tad Hamilton, mas não esquece suas prioridades nem se envergonha de suas origens. Tem dois ótimos amigos de infância e é feliz com seu trabalho no supermercado da cidade. Sua incrível espontaneidade e doçura é o que fazem com que Tad Hamilton olhe para ela como uma fã especial. Eu, particularmente, gosto muito do seu sorriso e ela até me faz lembrar Britney Spears se contemplada em certo ângulo. (Se você achar que não tem nada a ver, ignore essa comparação) Não conheço muito o seu trabalho, mas creio que vale a pena assistir a filmografia dessa jovem talentosa.

    Josh Duhamel -Pesquisando suas fotos para postar aqui (tive a sorte de encontrar esse ótimo clique feito durante o filme mesmo, numa cena em que Tad encontra-se com Rosalee em uma lanchonete) percebi que Josh Duhamel é o tipo galã não muito explorado. Se jogar o nome dele no Google, certamente você achará fotos dele com pouca roupa em ensaios mais ousados, porém não é isso que vemos na maioria dos seus papéis nos filmes em que atua - entre eles está a trilogia Transformers, na qual ele faz um soldado. Creio ser o filme mais conhecido do qual ele tenha participado. Falando em seu personagem, ele é tão famoso que consegue, ao mesmo tempo, estar no cinema, em comerciais e na TV o dia inteiro. Fica profundamente confuso ao conhecer Rosalee, pois foi ao seu encontro pensando ser ela somente "mais uma", mas viu que não era bem por aí. Ele começa a rever seus conceitos, prioridades e investimentos após o encontro com a doce garota do interior. Nos faz perceber o quanto as circunstâncias da vida podem nos mudar. A essência particular, todavia, é escolha de cada um e nada nem ninguém além de você mesmo tem poder sobre ela. Achei que ele se encaixou perfeitamente no papel e fez um belo contraste com o personagem Pete, melhor amigo de Rosalee.

    Topher Grace - falando em Pete, esse é o ator que o interpreta de forma bem convincente. Se você vê seu rosto e não lembra bem de onde o viu, eu refresco sua memória: Grace foi quem interpretou Venom no último filme da bem-sucedida franquia original do Homem-Aranha. Nesse filme ele aparece um pouco franzino e desconcertado para encaixar-se no personagem, bem diferente da rude e prepotente atuação em Homem-Aranha 3. Pete percebe que seu coração está em perigo quando vê Rosalee junto de Tad. É do tipo de pessoa que valoriza muito o que ama, mas só se dá conta disso quando está prestes a perder. Ele é o gerente do supermercado onde Rosalee trabalha junto com sua melhor amiga. Os três rendem cenas bem divertidas juntos. O coitado precisa aguentar as mulheres da sua vida falarem de Tad Hamilton o dia inteiro e fingir que se interessa. Suas tentativas de se tornar um assunto importante ou mesmo ser tão atraente quanto Tad são tão cômicas quanto apelativas. Pete também conhece Rosalee mais do que ela imagina, e é nisso que ele acerta.

    Ginnifer Goodwin - Para finalizar, apresento essa atriz a vocês que está vivendo seu momento de glória interpretando Branca de Neve/Mary Margareth no fenômeno bem-sucesido e recente seriado Once Upon a Time. Sua participação no filme é extremamente divertida, pois ela é dona das falas mais derretidas e utópicas a respeito de Tad. A melhor amiga de Rosalee rende ótimas risadas e sua incoveniência é hilária. Goodwin aparece com o cabelo curto - um pouco maior do que o da foto à esquerda - com as pontas rosadas e, creio eu, com uns quilinhos a mais. Junto de Rosalee, ela enche os ouvidos de Pete a respeito de Tad e não ajuda em nada no desespero dele ao vê-la com o astro, já que ela acha a amiga a pessoa mais sortuda do mundo por conseguir o que ela mesma mais quer na vida. Ela é até controlada demais na presença de Tad para um estereótipo de fã tão histérica, mas a atuação de Goodwin não decepciona, muito pelo contrário. Bem, eu poderia falar de mais atores/atrizes presentes no filme, mas creio que esses bastam, até porque o post já está bem extenso.

    Eu sempre procuro tirar uma lição dos filmes que assisto e não poderia deixar de falar sobre isso aqui. Creio que a maior lição que esse filme traz é que, se feitas as escolhas certas, estaremos na hora e no lugar certos também. Decidir como será nosso futuro depende de nós, e um minuto a mais ou a menos pode fazer toda a diferença. Creio que muitos de vocês assistiram a esse filme e sabem do que estou falando, mas se você leu esse post ainda não viu, procure fazer isso. Deixarei vocês com o trailer do longa. Até a próxima.



    Vai, e dize a Davi: Assim diz o SENHOR: Três coisas te ofereço; escolhe uma delas, para que ta faça.
    2 Samuel 24:12

    ﻼIgreja Futebol Clube 1ﻼ

    quinta-feira, 16 de agosto de 2012
    Já pensou em como futebol e religião podem ser parecidos? Se analisarmos, poderemos elencar várias semelhanças e, de forma lógica, ver que manifestações idênticas são notáveis nos dois segmentos. É tudo uma questão de perspectiva. Decidi, então, fazer uma série de postagens sobre essa analogia. Serão pelo menos 4 publicações intercaladas a respeito do tema. Vamos começar, então?


    1. Culto - Seja esse nome, seja missa, reunião, encontro ou qualquer outro substantivo convencionalmente usado por determinado grupo, todos eles têm a mesma função: estar junto de outras pessoas com um objetivo em comum. Da mesma forma que podemos ver igrejas lotadas de fiéis, também podemos ver estádios cheios de torcedores. Da mesma forma que podemos ver religiosos fanáticos, podemos ver telespectadores de uma partida com o coração na boca, lágrimas nos olhos e fantasiados da cabeça aos pés com as cores de seu time. Da mesma forma que grupos religiosos podem se reunir uns nas casas dos outros para terem um momento de oração, círculos completos de amigos ou uma família inteira podem se reunir em frente à televisão para, durante 90 minutos no mínimo, acompanhar uma confronto. Não é um verdadeiro culto prestado por ambos os lados? O mais similar: os dois possuem hinos. Isso mesmo. Ninguém verá um culto de determinada igreja, seja qual for sua denominação, acontecer sem música. Da mesma forma, não existe torcida que não tenha na ponta da língua uma canção de louvor ao seu time do coração. A diferença que podemos achar nesse âmbito é que, quando são os torcedores que louvam, é sempre algo bonito de se ver. A celebração vaza pelos poros, a garganta é rasgada pelo brado intenso e não há canção melhor para entoar naquele momento do que o hino de exaltação ao insubstituível time. Passar o jogo inteiro cantando, pulando de um lado para o outro sem se preocupar se sua atitude parece desesperada ou ridícula é normal. É fácil demais, porém, chamar algum religioso de fanático se ele se comportar pelo menos de forma parecida com essa. Alguém pode dizer: "Ah, isso não tem nada a ver". Eu pergunto: "Será que não tem?". Vejamos, se você conhece 10% da Palavra de Deus, você verá que há motivos suficientes para demonstrar a mesma alegria e intensidade durante cultos prestados a Deus. A guerra entre o bem e o mal já foi vencida na cruz do Calvário e isso é um motivo mais do que justo e muito maior para celebrar. Dizer que isso tudo simplesmente não tem nada a ver e negar-se a pensar e ver como podemos rever nossos conceitos. Por que gritar o nome de "Jesus" pode parecer tão ridículo, mas gritar o nome de um time ou de um jogador que é tratado como um verdadeiro deus dentro e fora de campo é tão mais suportável?

    E Moisés disse: Havemos de ir com os nossos jovens, e com os nossos velhos; com os nossos filhos, e com as nossas filhas, com as nossas ovelhas, e com os nossos bois havemos de ir; porque temos de celebrar uma festa ao SENHOR.
    Êxodo 10:9


    2. Dízimo - Você deve estar se perguntando como isso pode ser semelhante entre religião e futebol. É fácil. Já parou para pensar sobre o quanto as torcidas organizadas gastam para se manter? Elas existem por um motivo, precisam de investimento para isso e o que não falta são pessoas dispostas a abrir suas carteiras e tirar uma boa quantia em dinheiro. O que é até mais "engraçado": alguns - ou muitos - gastam muito mais que 10% em função do seu time. Algum deles acha isso ruim ou recebe críticas constantemente por causa disso? Eu diria que não. Basta olhar para o valor das camisetas oficiais de um time, para as mensalidades que os integrantes de uma torcida organizada oficial se comprometem a pagar, para os pacotes de TV's por assinatura que fazem uma programação especial para os torcedores de plantão e por aí vai. Todos acreditam que vale à pena. Todos acreditam que é para a manutenção da paixão que os faz se sentir mais vivos. Isso não é questionado, é respeitado e visto com naturalidade. Mas levar o dízimo para a igreja já é visto com maus olhos por muita gente. É para o sustento da casa de Deus, para ajudar nos investimentos missionários e para melhorar a estrutura dos templos, mas quem liga para isso? Dói muito mais no bolso tirar 10% para Deus do que 30% para o seu time. Ouço muita gente dizer que não gosta de dizimar por causa da corrupção dos líderes. Não venha me dizer que nunca existiu corrupção na tesouraria das torcidas organizadas que eu não acredito. E não custa nada você chegar para o seu líder espiritual e pedir para ver como as finanças da igreja estão sendo investidas - ele certamente não resistirá ao seu pedido, não se ele não for um corrupto. Precisamos conhecer sim o terreno onde estamos plantando. O dinheiro gasto em função do seu time é totalmente aceitável porque lhe proporciona emoções, união, diversão, algo que serve para se desligar dos problemas do mundo etc. Mas se Deus o abençoa tanto, permite-o ter um emprego, uma fonte de renda e até sobra tanto dinheiro para investir em outras coisas, o que custa agradecê-Lo e honrá-Lo com 10% do resultado do seu suor?

    E esta pedra que tenho posto por coluna será casa de Deus; e de tudo quanto me deres, certamente te darei o dízimo.
    Gênesis 28:22

    Quero deixar claro que o objetivo dessas publicações não será defender a conduta de um dos lados. Não estou tomando partido de nada. O meu objetivo aqui é nos fazer pensar como é fácil criticar sem pensar antes. Como é fácil achar que coisas são tão diferentes umas das outras quando são, concomitantemente, tão semelhantes e como nos submetemos a achar que uma é totalmente normal e outra não. Meu objetivo é nos fazer rever conceitos. Há muito questionamento e pouca compreensão por aí, não acha?

    ﻼGarranchosﻼ

    quarta-feira, 8 de agosto de 2012

    Foi você quem me contou muitas das histórias da minha infância. Histórias da minha vida que nem eu mesmo me lembro. Mas algo que me lembro e que você, vez por outra, gosta muito de comentar são as cartinhas que, em muitos dias dos pais ou no seu aniversário, eu fiz para você. Aqueles garranchos compostos por letras grandes e mal feitas de quem ainda está sendo alfabetizado acompanhado por desenhos desproporcionais a ponto de nossa casa ser menor que os bonequinhos que nos representavam brincando no jardim do lado de fora. Isso tudo era mais que suficiente para fazer seus olhos brilharem e me puxar para mais um abraço apertado, um beijo na testa e um emocionalmente carregado "muito obrigado".
    Imerso naquela pureza infantil, eu jamais teria noção do tamanho sacrifício feito por você para me dar uma vida boa. Jamais teria noção do trabalho que sempre gerou o dinheiro que eu usei para comprar seus próprios presentes. A verdade é que o tempo passa e pode ser que, por variados motivos, fique mais difícil expressar sentimentos e gratidão.
    Nessa caminhada, eu conheci mais alguém a quem posso chamar de pai e descobri que Ele também é seu pai. Esse conceito confuso me ajudou a entender muita coisa. Nós somos presentes e temos valor. Eu sou um presente que Deus escolheu dar para você e você é um presente que Ele escolheu dar para mim. Sei que você fez garranchos para Deus no dia em que me conheceu, ainda que eu não compreendesse o que tudo aquilo representava.
    Descobrir que Deus também é seu pai me faz olhar para você como um filho que comete erros e acertos, que é indisciplinado algumas vezes, mas tem sentimentos, responsabilidades, necessidades e sonhos para realizar.
    Hoje entendo o quão diferente somos, pois a vida já lhe ensinou muito mais do que a mim. Hoje entendo o quão parecidos nós somos, e o quanto eu preciso lhe respeitar por isso. Hoje entendo que sou feliz por algo que nunca vai mudar: é bom ser chamado seu filho e não há palavra melhor para chamá-lo do que pai. Eis aqui mais um sincero, dedicado e simples garrancho.

    -=-=-

    Hey, pessoal! Quero agradecer muito o carinho e consideração de vocês por meio da receptividade e elogios sempre presentes nos comentários. Espero que tenham gostado do meu texto de dia dos pais. Ele é praticamente uma encomenda para o culto do dia dos pais em minha igreja.
    Quero anunciar aqui a criação de uma nova página no Facebook. Trata-se do Geração Kadoshi, que é o grupo de jovens da igreja onde eu congrego. Kadoshi significa "santidade" em hebraico, e é isso o que pregamos, principalmente mostrando que ser santo é diferente de ser chato e carrancudo. Explicações à parte, você pode curtir a página clicando AQUI. Lá, nós postamos imagens, vídeos, convites para eventos, enfim.
    Algo legal de se falar aqui é a nossa promoção no Twitter - sim, nós estamos lá também! -, que se trata do sorteio do novo CD do Ministério de Louvor Diante do Trono - CREIO (DT15). É muito fácil participar, basta seguir-nos AQUI e dar RT nos tweets informativos acerca da promoção. Vale ressaltar que, em breve, também haverá promoção no Facebook. Ficarei muito feliz se vir vocês participando por lá.
    Deixo com vocês o banner da promoção. Até mais.


    Ora, a nosso Deus e Pai seja dada glória para todo o sempre. Amém.
    Filipenses 4:20

    ﻼQuestão Frequenteﻼ

    segunda-feira, 30 de julho de 2012

    Do que você tem medo? Alguém perguntou
    Comece a pensar e descubra. Pode ser que demore para descobrir
    Mas você vai descobrir

    Do que você tem medo?
    Não se tranque em seu lugar secreto por muito tempo
    Quem se esconde por muito tempo acaba perdendo a saída
    Fecha os olhos e se perde no escuro
    Abre os olhos e não consegue mais fechá-los

    Do que você tem medo?
    Se é de perder, se é de ganhar
    Isso pode ser resolvido pelo simples amar
    Se é da força, se é da fraqueza
    O seu foco precisa mudar para a esquerda

    Da rima mal feita na vida surpresa
    Da surpresa ruim ou incoveniente para quem do desconhecido é rival
    Da escuridão, da claridade, da fama ou da falsidade
    Ser indiferente não resolve o dilema

    Vencer o medo é desafiar a memória
    Fazer da lembraça uma aliada para a vitória
    Depois de, por ela, ter sido várias vezes a alma desolada

    Deixe o medo e venha para fora
    Abra a porta e ande pela estrada indicada
    A placa diz que o caminho é árduo
    Mas vencer o medo nunca foi fácil
    Ele é menor, fraco, insuficiente e inóspito
    Mas sabe em que parte do caminho projetar sua sombra

    Vença o medo e vá até Deus
    Ele tem a forma do amor que cabe dentro do seu peito
    Onde Ele está o medo não pode habitar
    Fazer festa ou se declarar dono do lar

    Onde o amor habita, há plenitude de vida
    Segurança no lugar da angústia latejante

    E quando, enfim, com Ele estiver frente a frente
    Não haverá mais resposta suficiente
    Que possa se encaixar como resposta à questão antes tão frequente
    Do que você tem medo?


    Cá estou eu postando meu primeiro poema público. Eu escrevo muita coisa, desde textos em prosa até música, mas não costumo publicar a maioria deles. Resolvi me arriscar mais um pouco dessa vez e espero que vocês não achem tão ruim quando eu achei, afinal, poema não é o meu forte. Muito obrigado, mais uma vez, a todos vocês que sempre têm estado presente aqui. Enquanto houver motivação em mim, e espero que isso dure ainda muito tempo, vou tentar retribuí-los da melhor forma possível. Até mais.

    No amor não há temor, antes o perfeito amor lança fora o temor; porque o temor tem consigo a pena, e o que teme não é perfeito em amor.
    I João 4:18

    ﻼSelo e Glória a Deusﻼ

    terça-feira, 24 de julho de 2012
    O mês de Julho aproxima-se do fim e eu estou aqui sem saber se aceito o sentimento de fim de férias ou se continuo no clima de folga. Eu soube hoje que a greve continua, então vocês tentam compreender o meu pequeno dilema. Procuro com afinco algo para fazer, porque se eu deixar o tédio se instalar, aí já viu... Enquanto isso vou fazendo o que está ao meu alcance por aqui. Mais uma vez ganhei o selo das 11 perguntas da minha mana Juliana Diniz, do blog Fez-se Flor. Apesar de já ser a sexta vez que eu recebo este selo, quero agradecer mais uma vez a indicação, pois sempre gosto de responder a perguntas inteligentes e que me deixam pensando alguns minutos antes de responder. Eu procurei continuar objetivo nas respostas. Segue as perguntas respondidas e as imagens.


    1. Porque tem um blog? Meu principal desejo por aqui é compartilhar o que Deus tem me ensinado dia após dia na vida de diversas formas diferentes.
    2. Banda, cantor e música preferida(os)? Diante do Trono; Ana Paula Valadão; Saudades.
    3. Livros obrigatórios? Obrigatórios é uma palavra muito forte. O único que vejo se adequar a isso e estar sempre próximo a mim é a Bíblia.
    4. Sonho de consumo? Um belo XBox.
    5. Meta realizada? Ter todos os CD's originais do Diante do Trono.
    6. Objetivo até o fim do ano? Começar a escrever meu livro.
    7. Sua contribuição para o mundo? Pode não parecer grande coisa, mas eu tento respeitar profundamente as pessoas com as quais eu me relaciono.
    8. Filme que não enjoa? Um Amor Para Recordar.
    9. Praia ou shopping? Shopping. Não gosto de praia.
    10. Teatro ou Pub? Teatro sem pestanejar.
    11. O último livro lido e o último filme assistido? Um Homem de Sorte; Toy Story 3.



    -=-=-

    Bem, eu não vou deixar vocês somente com o selo. Como eu disse acima, já é a sexta vez que recebo esse selo, então não convém indicá-lo novamente. Como percebi que minhas dicas de música gospel têm sido relativamente bem aceita entre vocês, quero encerrar meu post fazendo mais uma indicação.
    O Ministério de Louvor Diate do Trono (estou deixando claro que é meu preferido, hein?) lançou recentemente um trabalho que é uma parceria com o Ministério Gateway Worship, uma igreja de Dallas. Ana Paula Valadão, a líder do DT, trabalhou nas versões em português das músicas de um CD inteiro da Gateway - God Be Praised - e, durante a noite de encerramento do XII Congresso de Louvor e Adoração Diante do Trono, a gravação foi realizada.
    Você pode ver a seguir o comercial lançado pela Som Livre, atual distribuidora do Ministério Diante do Trono, que foi exibido durante os intervalos na programação da TV Globo:



    Além desse vídeo, quero deixar uma música do CD para vocês escutarem. Ela é bem animada e fala sobre a possibilidade libertadora que temos de viver o que cantamos para o Senhor. Não é somente colocar poesia em um papel e emocionar um público cantando palavras bonitas para Deus. É cantar a realidade de amor vivida em um relacionamento íntimo com o nosso Criador.



    Essa canção é interpretada por Guilherme Fares, um dos mais recentes integrantes do Diante do Trono. Espero que tenham gostado e até a próxima, queridos!

    Ao qual seja dada glória para todo o sempre. Amém.
    Gálatas 1:5








    ﻼConvencidoﻼ

    segunda-feira, 16 de julho de 2012
    -Cheguei! - ele disse quando ela abriu a porta, com a maior empolgação.
    -Oi, meu amor! - ela respondeu, não tão calorosamente quanto ele esperava, mas aproximando-se para encostarem seus lábios num rápido mas amoroso beijo de início de noite. - Que filme você trouxe?
    -Eu peguei Encurralada. Estava afim de ver algo diferente hoje. Você não viu esse ainda, não é? - ele disse, esperando uma oportunidade para perguntar se estava tudo bem. Ele sabia que não estava.
    -Ah, graças a Deus, amor. Eu realmente não estou com cabeça para comédia. Romance, argh! Você sabe que eu gosto dos dois, mas hoje não. Esse que você trouxe é ação, né? Eu acho que já li sobre ele. - ela falou, pensativa, deixando-o feliz por estar proporcionando a ela algo para se distrair.
    -Sim, com Charlize Theron. - sorriu provocantemente pra ela.
    -Ah, eu sabia que havia um motivo maior! - ela socou seu ombro de leve e o tão esperado som da risada que ele queria ouvir saiu, mas não da forma como ele esperava.
    -Amor... tá tudo bem? - ele perguntou, esforçando-se para dar um tom casual à sua voz.
    -Sim... - ela disse, com a cabeça baixa, os cabelos colocando seu rosto na penumbra, enquanto ela procurava se concentrar na capa do filme locado sem muito sucesso.
    -É sério.
    -É... na verdade, não. Mas não é nada demais. Só tive um dia ruim ontem e uma noite mal dormida. Nada que sua companhia agora não possa resolver. - ela levantou a cabeça e virou-se para ele com os olhos marejados. Ele, mais uma vez, reparou no quanto ela era linda e no quanto ele tinha sorte por tê-la ali.
    -Eu não sei o que aconteceu, mas vai ficar tudo bem. - ele disse enquanto tomava seu rosto em suas mãos e a puxava para um abraço. Ela enterrou o rosto em seu tórax vestido com uma blusa macia de algodão cor azul-marinho. Dava para ouvir Tenth Avenue North no som da sala de estar. O volume estava baixo, a música era lenta, perfeita para o momento.
    Sem nada dizer, ela se afastou dele, tomou sua mão e o levou para a sala. Ele se sentou enquanto ela pegava o DVD e colocava no aparelho. Enquanto os trailers passavam, ela voltou-se para ele, sentada ao seu lado, e disse finalmente:
    -Sabe aqueles dias em que nada demais acontece e você fica como se estivesse mal, mas nem sabe se está na verdade, porque não há motivo pra isso?
    -Sim, eu sei. - ele disse.
    -Estou sentindo-me assim hoje. E ficar perto de você é uma das melhores coisas que poderia me acontecer.
    -Eu sei.
    -Seu convencido.
    -Você responderia a mesma coisa.
    -É verdade.
    -Obrigado por estar aqui por mim.
    -Foi isso que a gente orou no dia em que resolvemos começar a namorar, não foi?
    -Isso mesmo. - ela encerrou a conversa dando-lhe mais um beijo, dessa vez, da forma como deveria ter feito desde o início. Ela desligou o som com o controle e depois apertou o play para que o filme começasse.
    Ela recostou-se em seu peito e ele a abraçou. Assim eles assistiram ao filme, fazendo comentários breves e conclusivos de vez em quando. Dentro de seus corações, eles sabiam que assim aquela noite deveria terminar. Deus os havia unido e preparado aquela noite e eles eram gratos por isso.

    Eis a minha primeira crônica romântica. O que vocês acharam? Espero que gostem, porque eu gostei de escrever mais do que pensei. Sei que falei de noite no texto, mas essa foto foi a que mais se encaixou com a proposta, apesar de ter sido tirada durante o dia. Nunca tive tanta coisa para fazer e nada ao mesmo tempo. Sério. Quem está de férias me entende. Eu acho. Obrigado pela companhia de vocês. Até a próxima, se Deus quiser.

    A sua mão esquerda esteja debaixo da minha cabeça, e a sua mão direita me abrace.
    Cânticos 2:6
    A sua mão esquerda esteja debaixo da minha cabeça, e a sua mão direita me abrace.
    Cânticos
    A sua mão esquerda esteja debaixo da minha cabeça, e a sua mão direita me abrace.
    Cânticos 2:6

    ﻼTu és tudo pra mimﻼ

    segunda-feira, 9 de julho de 2012

    Olá, pessoal! Como vocês estão? Tenho vivido dias intensos e quero falar sobre isso brevemente para vocês. Só para começar, eu levei um baita susto de sábado para domingo. Meu computador não queria ligar e ontem era o dia que eu queria postar. Fiquei muito tenso pensando que seria um grande problema, mas graças a Deus, era somente um detalhe e foi logo resolvido. Sábado também ocorreu algo muito especial. Aconteceu no espaço da nossa igreja uma festa de quinze anos - a igreja que eu frequento é uma casa enorme, com uma tenda para a congregação durante os cultos, jardim, piscina, deque... - e foi tudo muito lindo, cheio da presença de Deus. Eu fui o escolhido do grupo de jovens para fazer uma homenagem para a aniversariante e escrevi um texto para isso. Havia um tablado de vidro sobre a piscina, que foi onde ocorreu a cerimônia, toda uma iluminação especial, mesas decoradas, coquetéis... foi uma festança.
    Enfim, eu poderia contar muito mais, mas não sou tão adepto do assunto "minha vida". Nada contra, só prefiro falar de outros assuntos. Quem me conhece, sabe que isso aqui já é muito para mim. Mas vamos ao que interessa: nessa postagem eu quero fazer uma indicação para vocês. Para quem não sabe, o ministério de louvor Diante do Trono possui uma escola de preparação missionária - CTMDT (Centro de Treinamento Ministerial Diante do Trono) - em Belo Horizonte. Há alguns anos eles começaram a gravar com os formandos CD's com as principais composições deles e é um trabalho muito bonito de se ver/ouvir. O 3º CD foi lançado recentemente com um diferencial: o download foi disponibilizado gratuitamente no site do ministério. Isso mesmo, você pode baixar o CD simplesmente acessando o site e fornecendo seus dados. É gratuito. Acesse o site clicando AQUI.
    Quero deixar com vocês duas das minhas preferidas do CD, cujo tema é Tu És Tudo Pra Mim. A primeira possui uma levada mais puxada para o rock, já a segunda, é Hip Hop:


    .



    Eu gosto demais de ouvir esses jovens cantando essas canções fruto da experiência deles com Deus e resultado de dois anos de estudo dentro do CTMDT. É contagiante a paixão que eles sentem pela Palavra, presença e chamado de Deus. Penso que o mundo está do jeito que está por falta de pessoas assim. Não falo de religião, falo de Deus mesmo. Ter Deus no coração, respeito pelas suas ordenanças, amor ao próximo. Religião não faz diferença na vida de ninguém se o coração estiver sujo e cheio de rancor.
    Eu realmente encorajo você a fazer o download desse CD. Além de ser abençoado pela letra das canções, você vai curtir belas músicas de qualidade. E por falar em qualidade, quero agradecer muito a todos vocês, meus seguidores - cheguei a 101 essa semana! - e blogueiros que comentam aqui. Fiquei muito surpreso ao ver que o post passado contou com 28 comentários. Eu nunca havia conseguido isso em todos os meus anos como blogueiro e eu devo tudo isso a Deus e a vocês. Vocês têm minha gratidão. Até a próxima.

    Porque o que me achar, achará a vida, e alcançará o favor do SENHOR.
    Provérbios 8:35

    ﻼDesaguadaﻼ

    quarta-feira, 4 de julho de 2012

    Enquanto eu andava pela beirada daquele rio, o vento tocava meu rosto com uma intensidade prazerosa. Eu fechava meus olhos de vez em quando para que meu tato e audição fossem mais bem-aproveitados. Eu não poderia deixar aquilo passar. Quando eu pensava, porém, que estava perdendo a paisagem, eu abria os olhos. E foi assim por um bom tempo.
    A vegetação rasteira dividia um espaço justo com a areia fina abaixo dos meus pés descalços. Um pouco mais à minha esquerda, a vegetação mais alta era balançada suavemente pelo vento. Eu sentia alguns minúsculos pingos da água pelo meu corpo quando o rio se agitava mais um pouco. Ele não parecia ter mais do que quinze metros de uma margem para a outra, mas era um rio soberbo.
    Ele me atraiu. Sem pensar muito, coloquei meus pés na água morna. Uma sensação revigorante tomou conta de mim imediatamente após o torpor inicial que aquilo me causou. Pensei em voltar. Olhei para trás, o vento soprava mais forte e fazia os meus cabelos subirem, mas as águas me atraíam. Dei mais alguns passos, e o nível da água foi subindo em meu corpo.


    Artelhos, joelhos, ombros... eu estava quase totalmente submersa quando pensei: areia fina na beirada de um rio? Mas isso não seria típico de praia? Era para ser terra. O pensamento foi embora tão rápido quanto veio. Então, abruptamente, senti uma onda me varrer para as profundezas daquele rio. Eu descia, descia e descia, e fiquei apavorada quando percebi que conseguia respirar. Olhei para cada centímetro molhado do meu corpo e pensei: como aquilo seria possível? Vi alguns minúsculos peixes passarem rapidamente por mim e tomei impulso para subir.
    Ao emergir minha cabeça, notei que não estava mais no rio. Eu estava no mar. Não teria sido possível ter desaguado ali sem perceber. Eu havia sido transportada de alguma forma. Percebi uma longa massa de terra exatamente igual à orla da praia perto de onde eu morava. Mas eu não me sentia em casa. Comecei a lembrar das palavras do livro do meu Mestre e tudo começou a fazer sentido.


    E saiu aquele homem para o oriente, tendo na mão um cordel de medir; e mediu mil côvados, e me fez passar pelas águas, águas que me davam pelos artelhos.
    E mediu mais mil côvados, e me fez passar pelas águas, águas que me davam pelos joelhos; e outra vez mediu mil, e me fez passar pelas águas que me davam pelos lombos.
    E mediu mais mil, e era um rio, que eu não podia atravessar, porque as águas eram profundas, águas que se deviam passar a nado, rio pelo qual não se podia passar.
    E disse-me: Viste isto, filho do homem? Então levou-me, e me fez voltar para a margem do rio.
    E, tendo eu voltado, eis que à margem do rio havia uma grande abundância de árvores, de um e de outro lado.
    Então disse-me: Estas águas saem para a região oriental, e descem ao deserto, e entram no mar; e, sendo levadas ao mar, as águas tornar-se-ão saudáveis.
    E será que toda a criatura vivente que passar por onde quer que entrarem estes rios viverá; e haverá muitíssimo peixe, porque lá chegarão estas águas, e serão saudáveis, e viverá tudo por onde quer que entrar este rio.
    Ezequiel 47:3-9


    Eu estava naquele lugar. Senti peixes ao meu redor, percebi como as águas eram cristalinas e como era fácil de nadar dentro delas. Lembrei da canção: "Se a graça é um oceano, estamos afogando...". Eu havia afogado na graça e, depois, emergido para uma nova vida.
    Entendi porque eu não havia me sentido em casa. A praia era a mesma, minha casa era a mesma, eu poderia ver até familiaridades nas pessoas que eu via tão distantes na praia. Era eu que havia mudado, e isso foi o que fez toda a diferença.
    Comecei a nadar em direção à praia, então, naquelas águas profundas daquele mar inexplicavelmente tranquilo e revigorante. Águas vivas do Espírito de Deus.



    Olá, queridos colegas! Tive a ideia dessa crônica de uma forma tão repentina e inspiradora que o meu primeiro impulso foi postá-la aqui. Já é a segunda na visão feminina. É interessante escrever assim de vez em quando. Espero que tenham gostado.

    LinkWithin

    Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...